Habilidades técnicas ou comportamentais? Como o mercado de trabalho enxerga essas competências?

Lifelong Learning

Habilidades técnicas ou comportamentais? Como o mercado de trabalho enxerga essas competências?

João Jovanaci
Escrito por João Jovanaci em junho 5, 2020
4 min de leitura

Em um passado não muito distante o profissional especialista em determinada área por suas competências técnicas era o que mais se destacava e nem de longe observava-se suas qualidades comportamentais. Hoje o cenário não é o mesmo.

Esses mesmos profissionais que apenas se dedicavam ao conhecimento técnico e/ou acadêmico das funções que exercia estão enfrentando uma nova realidade em que suas habilidades técnicas são sim valorizadas, mas dependem de um bom desempenho das habilidades comportamentais.

Um levantamento da organização Page Personnel apontou que 9 em cada 10 profissionais são contratados pela habilidade técnica e demitidos por falta de habilidades comportamentais.

Veja bem, não estamos dizendo que o conhecimento técnico é irrelevante, mas como falamos aqui na slash, os novos tempos exigem que sejamos a soma de diversas competências que se complementam. Que sejamos “isso E aquilo”, não isso OU aquilo. Dessa forma, podemos ganhar novo fôlego no mercado de trabalho e buscar por voos mais altos.

O que são habilidades técnicas?

Ricky W. Griffin, autor best-seller e professor da Universidade do Texas define as habilidades técnicas como “aquelas necessárias para executar ou compreender um tipo específico de trabalho realizado numa organização.”

Ou seja, são linhas de conhecimentos específicos que permitem ao profissional executar determinada tarefa. Imagine que em uma indústria há uma vaga para cuidar do estoque, operando uma empilhadeira. Quais habilidades esse profissional precisa ter? No mínimo, o conhecimento técnico de um curso de operador de empilhadeira, para manusear com sabedoria e atenção o equipamento.

O mesmo acontece em todas as demais profissões. Para desenvolver um site, um aplicativo ou algum sistema, o profissional precisará de conhecimentos técnicos em linguagem de programação, por exemplo. Deu pra entender, né?

Resumindo, as habilidades técnicas são todas as aptidões que você pode comprovar que tem por meio de certificados de conclusão de cursos, treinamentos, etc  

As principais formas de adquirir competências técnicas são:

  • Graduações
  • Especializações
  • Curso de idiomas
  • Cursos técnicos
  • Conhecimento em software
  • Manuseio de equipamentos, maquinários etc.

O que são habilidades comportamentais?

Do outro lado nós temos as habilidades comportamentais, também conhecidas como soft skills. Apesar de não serem quantificáveis e até certo ponto de mais difícil comprovação, as competências comportamentais interferem diretamente no desempenho do profissional, principalmente no que diz respeito a ambientes colaborativos.

Diferente das habilidades técnicas, as habilidades comportamentais são mais difíceis de comprovar e/ou quantificar. São qualidades que necessitam de tempo, apoio e experiência para adquirir. A criatividade, por exemplo, é uma competência comportamental, mas não se aprende do dia para a noite, entretanto, é possível aprender ferramentas, conceitos e criar hábitos saudáveis e que estimularão o raciocínio criativo.

De acordo com uma pesquisa do Fórum Econômico Mundial, há 10 habilidades que tendem a ser as mais valorizadas pelos recrutadores nos próximos anos:

  • Resolução de problemas complexos
  • Pensamento crítico e análise
  • Criatividade
  • Gestão de pessoas
  • Inteligência emocional
  • Originalidade e iniciativa
  • Orientação para serviços
  • Coordenação
  • Negociação e persuasão
  • Flexibilidade cognitiva

Habilidades como essas são capazes de destacar um profissional no mercado de trabalho, em um mercado onde cada vez mais os gestores analisam a forma como um colaborar reage a determinada situação, sua prontidão para encarar desafios ou como ele se porta diante dos líderes e colegas, por exemplo.

Leia também: 5 situações em que as soft skills são fundamentais na vida profissional

As vantagens do equilíbrio entre competência técnicas e comportamentais

Vantagem competitiva

A nova cultura de gestão de pessoas tende a observar diversas características comportamentais para a contratação de um novo funcionário. Mesmo que você não perceba, as entrevistas de emprego estão repletas de questões que visam identificar o comportamento do candidato diante de cenários diferentes. Ainda que de forma indireta, todas as suas respostas dão bases para que o recrutador possa verificar se você é uma pessoa emocionalmente equilibrada, se sabe lidar com pressão, se consegue manter um bom relacionamento interpessoal com os colegas, e muito mais.

Aliado a isso, obviamente o recrutador também fará uma análise curricular, ou seja, verificar quais são de fato as suas experiências profissionais, suas qualificações e nível de instrução. Nessa etapa é onde o entrevistador observa as características técnicas, como cursos, diplomas e mais. Enquanto as perguntas nas entrelinhas, conforme você viu acima, vão analisar as suas habilidades comportamentais.

Por isso, diante de um processo seletivo em que dois candidatos estão disputando uma única vaga, qual você acha que terá mais chances? O que possui penas um bom currículo técnico? Ou o que possui boas experiências técnicas, mas também consegue expor suas qualidades comportamentais? Sem dúvidas o segundo candidato ficará com a vaga. 

Adaptação a cultura

O ambiente profissional é um dos locais que mais exige boa postura e conduta moral, não apenas para respeitar códigos de ética empresariais ou afins, mas também para que você possa sofrer menos o impacto de um ambiente que pode ser hostil, por exemplo. Nesses casos, mesmo que o seu currículo seja extremamente relevante, ele não garantirá um comportamento sadio diante de alguns cenários.  

Não é raro encontrar situações em que pessoas se sintam desconfortáveis no ambiente de trabalho. Por isso, habilidades comportamentais são fundamentais para um ambiente mais saudável. A inteligência emocional, por exemplo, permitirá que você identifique e aprenda a lidar com o que mais lhe incomoda, ao passo que você também conseguirá identificar emoções nas outras pessoas e contribuir para um relacionamento equilibrado.

Mas não temos somente situações de ambientes negativos, o contrário também pode acontecer e por incrível que pareça, um ambiente descontraído e alegre pode ser um pouco assustador às vezes. Pessoas que migram de um formato tradicional de trabalho para uma startup super diferentona, por exemplo, podem sofrer um pouco no início com a adaptação ao novo ambiente, mais livre, flexível e colaborativo. Pensamento crítico e flexibilidade cognitiva são outros bons exemplos de soft skills que podem ser aplicadas no dia a dia corporativo, facilitando a sua adaptação ao ambiente como um todo.

Oportunidades de crescimento

A combinação entre competências técnicas e comportamentais caracteriza o cenário perfeito para que um colaborador possa rapidamente se destacar dentro do ambiente corporativo. Como você viu nesse conteúdo, gestores estão cada vez mais propensos a valorizar os colaboradores que mantém a curva de aprendizado sempre alta.  

Nesse sentido, o conhecimento técnico será fundamental para que você possa progredir dentro da empresa, seja assumindo novos desafios, conquistando cargos mais elevados ou afins. Mas você só obterá sucesso e será um verdadeiro líder se conseguir conciliar os conhecimentos práticos com a boa gestão, que indispensavelmente inclui as soft skills, como: gestão de pessoas, negociação e persuasão, coordenação e orientação para servir.

Qual a importância do desenvolvimento técnico e comportamental?

Um estudo do ManpowerGroup intitulado Revolução das Competências, indica que há um crescimento contínuo por qualidades técnicas e comportamentais. E com isso, temos dois cenários:

  • 38% das organizações afirmam que é difícil oferecer treinamento das habilidades técnicas mais requisitadas
  • 43% dizem ser ainda mais difícil ensinar as habilidades humanas, como pensamento analítico e comunicação

O estudo também conclui que “os candidatos que demonstram competências cognitivas avançadas, criatividade e capacidade para processar informações complexas, além de adaptabilidade e simpatia, podem esperar maior sucesso ao longo das suas carreiras.”

E não para por aí!

Até 2022, estima-se que mais da metade (54%) de todos os profissionais precisarão de requalificação e aperfeiçoamento significativos. Dentre esses, espera-se que cerca de 35% necessitem de um treinamento de até seis meses, 9% levarão de seis a 12 meses para se requalificar e 10% exigirão uma capacitação adicional de mais de um ano.

E como se não bastasse a necessidade de requalificação, o mercado também apresenta características favoráveis aos bons perfis. 46% das organizações estão pagando mais para atrair e reter os colaboradores existentes. Ou seja, mais um motivo para apostar no desenvolvimento de soft skills.

Então a mensagem é: tentar equilibrar o domínio das competências técnicas com as comportamentais.

Fique à vontade para deixar seu comentário com sugestões, dicas e/ou questões. E continue acompanhando nosso blog para mais posts como esse!

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4 Replies to “Habilidades técnicas ou comportamentais? Como o mercado de trabalho enxerga essas competências?”

Julia

Estou ansiosa para aprender essas habilidades, e Muito curiosa.

Rosangela

Maravilhoso e muito enriquecedor…

Ronaldo Souza Oliveira

Muito bom o conteúdo, com uma visão enovadora, boas dicas para o crescimento profissional e pessoal.
Obrigado!

Brenda

Obrigada pelo texto, fiz muitas anotações