O que é necessário para estabelecer uma boa relação entre líder e liderado?

Carreira

O que é necessário para estabelecer uma boa relação entre líder e liderado?

João Jovanaci
Escrito por João Jovanaci em julho 30, 2020
4 min de leitura

Em algum momento da sua vida profissional você já se sentiu desconfortável no relacionamento com um gestor ou colaborador? Isso infelizmente não é incomum. A boa convivência entre líder e liderado é a chave para o sucesso de uma organização e, além de promover o bem-estar dos envolvidos, promove também um significativo resultado até mesmo no faturamento. 

Um estudo americano da NCBI sinalizou que nos EUA há uma perda de quase 3h por semana para a resolução de conflitos no ambiente de trabalho. O tempo dedicado a esses momentos faz com que as organizações percam cerca de 359 bilhões de dólares no ano. 

Ao mesmo tempo, o HayGroup diz que 50% dos líderes criam climas desmotivadores, e apenas 19% promovem ambientes de trabalho de alto desempenho. 

Os indicativos não são muito animadores, não é? Talvez porque ainda exista um grande tabu no diálogo entre líder e liderado. Isso também é reflexo da confusão entre chefe e líder, e isso nós explicamos nesse post aqui

Por isso, hoje nós trouxemos algumas dicas que podem ser úteis no momento de estabelecer uma boa relação entre líder e liderado. Vamos lá? 

Líder e liderado: é possível uma relação amistosa? 

Conversar sobre carreira não pode ser um tabu 

Não é segredo pra ninguém que todo colaborador entra na empresa buscando sempre o progresso, pessoal e profissional. Isso inclui a ambição por novos cargos e desafios, onde ele possa atuar em funções mais interessantes e assumir maiores responsabilidades.  

Acontece que na grande maioria das vezes esse desejo fica contido com o colaborador, sem uma oportunidade de expor aos gestores. Muitas organizações subestimam a ideia de conversas de carreira devido à falta de habilidades dos líderes e/ou ao medo de falar sobre a progressão na carreira com os funcionários.  

Apenas 16% dos colaboradores dizem que mantêm conversas regulares com seus gestores sobre suas carreiras. 

O número acima foi apresentado por um estudo da Right Management, do ManpowerGroup. E outro dado interessante que a pesquisa traz são os motivos para que essas conversas sejam evitadas, olha só:  

Principais razões para a maioria dos gerentes evitar conversas na carreira 

  1. Muitos gerentes acreditam que as conversas na carreira levarão a expectativas que não podem satisfazer e inevitavelmente custarão dinheiro em termos de funcionários que procuram uma promoção. Eles não percebem que muitos funcionários simplesmente querem crescer em sua função atual e ter a oportunidade de avançar lateralmente. 
  2. A maioria dos gerentes nunca recebeu treinamento para apoiar o desenvolvimento da carreira dos funcionários. 
  3. A maioria não entende o imperativo custo-benefício de ter essas conversas e não é incentivada ou responsabilizada por iniciá-las. 

Por isso, uma forma de estabelecer uma boa relação entre líder e liderado está na forma como os gestores devem dialogar com os funcionários, para que haja oportunidade de levantar questões de maneira confortável e que percebam comportamentos fora do comum. Outra pesquisa da Fast Company aponta que “os trabalhadores cujo gestor ouve seus problemas relacionados ao trabalho são 62% menos propensos a ter um esgotamento” 

Limitar a comunicação pode ser um bom exercício  

Ao mesmo tempo em que o isolamento social deu mais liberdade ao funcionário que trabalha no formato home officetambém trouxe outro ponto preocupante no que diz respeito aos limites entre vida pessoal e profissional.  

A facilidade de comunicação fez com que de certa forma os colaboradores estivessem conectados o tempo todo. Esse fato até pode ser real, mas é indispensável analisar o momento em que o trabalhador está conectado em função da empresa e o momento pessoal dele.  

É justamente sobre esse trabalho onipresente que trata um estudo da Universidade de Illinois. Os pesquisadores apontam que colaboradores capazes de estabelecer limites bem definidos entre vida pessoal e trabalho conseguem lidar melhor com o estresse ocupacional e efeitos negativos decorrentes, como a insônia. 

Por isso, manter o “controle” do horário de trabalho é um mecanismo importante que afeta diretamente a saúde física e mental do colaborador, o que inclui também os gestores, que prolongam suas atividades por horas.  

Outra pesquisa, realizada pela consultoria Randstad aponta que os brasileiros estão mais disponíveis para responder mensagem e e-mails de trabalho o tempo todo. O estudo analisou a relação de trabalho e vida pessoal na perspectiva de funcionários e das empresas em 34 países.  

  • 59% dos brasileiros entrevistados afirmam que seus empregadores esperam que eles estejam disponíveis fora do expediente 
  • 62% respondem imediatamente a solicitações de trabalho, e-mails ou mensagens de texto quando não precisaria estar trabalhando 
  • 42% afirmaram que lidam com questões de trabalho durante as férias 

Toda essa carga de trabalho e/ou cobrança por parte do gestor em algum momento pode se tornar algo desgastante para ambas as partes, o que consequentemente impacta no bom relacionamento entre os dois.  

Feedback e autonomia são essenciais 

O momento em que gestores e colaboradores se reúnem para trocar percepções não deve ser motivo de apreensão por nenhum dos lados e muito menos um momento que só contém críticas não construtivas.  

Gestores podem aproveitar a oportunidade para valorizar o desempenho dos funcionários, fazer observações positivas sobre seus pontos fortes, comentar sobre alguma característica comportamental legal ou até mesmo mostrar-se aberto para brincadeiras, comentários divertidos e piadas. Alguns minutos de descontração vão fazer bem para ambos.  

“Os funcionários não deixam más companhias – eles deixam, na realidade, os chefes ruins. Ou seja, se comunicar efetivamente com seus empregados deve ser uma tática fundamental para a saúde da organização.”, afirma Timothy Altaffer, presidente da consultoria internacional Axialent. 

Além disso, outro estudo conduzido por uma universidade Americana, o Leadership Quarterly aponta que 27% dos entrevistados afirmaram que o seu supervisor fez comentários negativos sobre eles para os outros funcionários ou gerentes. 

A falta de autonomia também pode ser um grande indicativo de que as relações podem estar abaladas. O colaborador precisa de estímulo para desenvolver o seu grande potencial, não de controle ou limitações. Confiar no liderado é talvez uma das melhores perspectivas de um relacionamento saudável. 

Desenvolva (muito) as soft skills 

Você sabia que a inteligência emocional é o mais forte indicador de desempenho? É o que concluiu um estudo da TalentSmart, sinalizando que essa habilidade comportamental é responsável por até 58% de sucesso em todos os tipos de trabalho. 

E vamos combinar que exercer a atividade de gestor também é um tipo de trabalho, certo? Além disso, não existe nenhuma relação envolvendo duas ou mais pessoas que não exijam o mínimo de sensibilidade na forma de comunicar e se expressar.  

Por isso, as soft skills são as grandes aliadas dos gestores e dos colaboradores nesse ambiente que pode ser conturbado, mas também pode ser muito agradável, dependendo muitas vezes da forma como os próprios funcionários convivem.  

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, existem 10 soft skills que todo profissional precisa dominar no futuro, são elas: 

  • Pensamento crítico 
  • Criatividade 
  • Gestão de pessoas 
  • Resolução de problemas complexos 
  • Coordenação 
  • Inteligência emocional 
  • Capacidade de julgamento e tomada de decisões 
  • Orientação para servir 
  • Negociação e persuasão 
  • Flexibilidade cognitiva 

Veja que muitas das habilidades comportamentais podem ser utilizadas na forma como você age diante de um colega, por exemplo. Mas também não podemos esquecer que as soft skills são também elementos fundamentais para o autoconhecimento

E aí, gostou das nossas dicas para estabelecer uma boa relação entre líder e liderado? Aproveite para acessar a nossa área de Materiais Gratuitos e confira ferramentas para o uso no dia a dia, seja como gestor ou colaborador, para praticar o autoconhecimento ou a empatia.  

Continue acompanhando nosso blog para mais dicas e conteúdos sobre o universo das habilidades comportamentais. E fique à vontade para deixar a sua sugestão nos comentários.  

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.