Entenda o que é FOMO: a síndrome de estar perdendo algo

Slash Life

Entenda o que é FOMO: a síndrome de estar perdendo algo

João Jovanaci
Escrito por João Jovanaci em junho 3, 2020
6 min de leitura

Em algum momento você sofreu com o medo de perder uma oportunidade? Você pode dizer que sim, afinal, nossa vida é feita de momentos e as obrigações sociais e profissionais não permitem que participemos de todos eles, certo? Mas aqui eu não estou falando de perder uma oportunidade de emprego ou um bom negócio, por exemplo. 

Nosso conteúdo de hoje vai falar sobre uma ansiedade generalizada e a preocupação de que outras pessoas possam estar desfrutando de experiências satisfatórias das quais você está ausente. Então continue a leitura e conheça o significado do termo FOMO e como ele pode interferir no seu comportamento.  

O que é FOMO? 

O FOMO (Fear of Missing Out) é um termo criado e utilizado pelo americano Dan Herman para descrever a sensação de que estamos de fora de algum acontecimento importante. Em tradução livre, FOMO significa o medo de perder algo. 

Em um mundo cada vez mais conectado, diariamente nós somos bombardeados por notícias, ferramentas, livros, jogos e mais uma infinidade de atrativos. Sentir que estamos perdendo a oportunidade de aproveitar cada opção é o que caracteriza o FOMO. 

No período de isolamento social provocado pela pandemia, isso pode acontecer de forma ainda mais destacada, seja no ambiente pessoal ou profissional, por exemplo, causado pelo trabalho remoto. São ocasiões onde não se acompanha de perto as realizações e atividades dos colegas, as reuniões assumem um novo formato e novo tom, tudo contribuindo para uma mudança de comportamento e percepção. 

Dan Herman diz que o FOMO acontece quando nos concentramos na metade vazia do copo. Exigimos de nós mesmos as condições para esgotar todas as possibilidades que nos apareçam, fruto de uma reação emocional. 

E para que você possa compreender melhor a origem desse sentimento, há três percepções diferentes que podem desencadear o FOMO: 

  • Consciência de identificar oportunidades atraentes. 
  • Um senso básico de importância, controle sobre a própria vida e capacidade que se traduz em “Eu deveria ser capaz de esgotar todas as oportunidades que quero”. 
  • Uma percepção de que todos os outros estão esgotando suas oportunidades e você não. 

Baixe agora: ferramenta gratuita de controle emocional

As consequências do FOMO 

O FOMO não deve ser interpretado como um simples desequilíbrio momentâneo. Na verdade, o medo e apreensão causados pelo FOMO podem ser os objetos causadores de verdadeiras síndromes de comportamento que evoluem para crises de ansiedade e até mesmo depressão. 

De acordo com o criador do termo, há no mínimo 10 fenômenos psicológicos que podem desencadear o desejo contínuo de conexão, olha só:  

  1. Atualmente, muitas pessoas buscam seguir uma carreira, aproveitar a vida familiar, além de atividades sociais, hobbies, treinamento físico e muito mais.
  2.  Estamos constantemente conectados através de nossos dispositivos móveis e mídias sociais, disponíveis para comunicação de todas as maneiras possíveis. 
  3. Agora participamos de comunidades em vez de pertencer a elas. Participamos de várias comunidades diferentes, virtuais ou reais a qualquer momento, em caráter temporário, evitando o total comprometimento com qualquer uma delas.
  4. As pessoas que são consideradas mais “interessantes” têm uma ampla gama de interesses e ocupações, fazem mudanças na aparência, variam no estilo de roupas e exibem abertura para explorar novos conceitos, designs e gostos. 
  5. Nossas vidas são caracterizadas por ‘nowness’ (presentidade) e somos rápidos em responder às oportunidades e adotar novos comportamentos, estilos, produtos e marcas. Consequentemente, não persistimos. 
  6. Como parte de nossa ‘atualidade’, estamos constantemente à procura de novas experiências, preferindo gratificações instantâneas às coisas boas que chegam àqueles que esperam. 
  7. Ficamos horrorizados com o pensamento do envelhecimento, o derradeiro desaparecimento. Tentamos todos os meios preventivos antienvelhecimento, passamos por cirurgia plástica e tratamentos cosméticos, usamos maquiagem e procuramos as tendências da moda nas faixas etárias mais novas buscando nos sentirmos mais jovens.
  8. Muitas pessoas vivem em mais de uma unidade familiar durante a vida e certamente têm mais de um relacionamento íntimo significativo. 
  9. Muitos homens e mulheres experimentam crises de meia-idade e optam por fazer uma pausa em suas vidas para explorar experiências diferentes. 
  10. As realocações para diferentes cidades e países (assim como outros tipos de mobilidade) são comuns em nossas sociedades atuais. Queremos provar a vida em outro lugar e descobrir quais novas possibilidades elas oferecem para nós. 

Isso significa que estamos constantemente em busca de novas oportunidades, principalmente quando somos influenciados de alguma maneira pelo nosso círculo social ou as pessoas que acompanhamos nas redes sociais. Quando um dos itens acima não é alcançado, podemos ficar frustrados.  

Ao mesmo tempo que cada um dos 10 elementos contribui para o desenvolvimento sociocultural e de tendências que moldam nossas vidas atuais. 

Os efeitos que FOMO pode causar 

A síndrome de FOMO pode se manifestar de várias maneiras, desde uma breve pontada de inveja até um verdadeiro senso de dúvida ou inadequação ao contexto. Por exemplo, a necessidade inevitável de comprar um produto recém-lançado, a constante intenção de se conectar as redes sociais, planejar a sua rotina e otimização de tempo com bastante antecedência para aproveitar muitos eventos, entre outros.  

A teoria da autodeterminação (self-determination theory – SDT) afirma que o sentimento de pertencimento ou conexão com os outros é uma necessidade psicológica legítima, que por consequência influencia também a saúde psicológica das pessoas.  

Uma dependência psicológica de estar online, por exemplo, pode resultar em ansiedade quando alguém se sente desconectado, levando ao FOMO ou mesmo ao uso patológico da Internet. Como consequência, o FOMO é percebido como um fato negativo na saúde e bem-estar psicológico. 

Mas será que todas as percepções de FOMO são negativas? Não para o criador do termo. O Dr. Herman também faz alguns apontamentos sobre o lado bom dos sintomas:  

  • FOMO pode ser capaz de conduzir a vida com mais interesses, emoção e prazeres. 
  • FOMO pode ser uma motivação para aprimorarmos nosso desenvolvimento e alcançar objetivos que nos recompensam, com sentimentos de satisfação, poder e valor. 
  • FOMO também pode nos conduzir a comportamentos que nos tornam mais interessantes e atraentes para os outros, fazendo com que eles nos demonstrem reconhecimento de alguma maneira. 

O pesquisador indica que aproximadamente 70% de todos os adultos nos países desenvolvidos e nos países em desenvolvimento experimentam FOMO em diversos graus. Além disso, comenta que a capacidade de lidar bem com o FOMO se correlaciona positiva e significativamente com o sucesso financeiro, o sucesso social e os altos níveis de satisfação com a vida.  

Leia também: a arte de identificar emoções para evoluir pessoal e profissionalmente

Inteligência emocional para lidar com o FOMO 

Assim como demais emoções e sentimentos ocasionados por situações que nos causam algum tipo de desconforto, a inteligência emocional deve surgir como o grande aliado para manter o equilíbrio e tornar saudável questões como o FOMO.  

Ao criar hábitos que possibilitam trabalhar a inteligência emocional, seu subconsciente vai de adaptando aos poucos à nova ação que você pretende dar aos momentos. Tendo como uma das principais características do FOMO o uso excessivo das redes sociais, você pode utilizar esse gancho como primeiro passo. 

  • Procure viver mais intensamente os momentos, ao invés de se preocupar em publicá-los  
  • Busque reduzir algumas horas por dia o uso de smartphones, tablets e afins, substituindo por atividades saudáveis que estimulem o cérebro. Livro, série, artesanato, puzzles etc.  
  • Aproxime-se ainda mais das pessoas próximas a você e troque experiências memoráveis de convívio saudável  
  • Tente compreender que NINGUÉM tem uma vida perfeita e repleta de alegrias, mesmo aquelas pessoas que você acompanha nas redes sociais.  

A partir de ações repetitivas e de introspecção dos itens acima, aos poucos você conseguirá se desligar da falsa importância que as redes sociais podem significar. Mas lembre-se, nossa intenção aqui não é e nunca será substituir o auxílio psicológico quando necessário. Por isso, se você acredita que está vivendo com grandes índices de ansiedade, pode ser interessante conversar com algum profissional, ok? 

CURSO DE INTELIGÊNCIA EMOCIONAL 

De acordo com Daniel Goleman, a “inteligência emocional é o maior responsável pelo sucesso dos indivíduos”.  

Além de ser fundamental para nossas relações pessoais, a conquista do equilíbrio emocional é também fator determinante na área profissional. Uma pesquisa da TalentSmart indica que a inteligência emocional é o mais forte indicador de desempenho, explicando um total de 58% de sucesso em todos os tipos de trabalho. 

Por isso, nós criamos um curso online de inteligência emocional, com metodologia slash/education e certificado PUCPR! Ao se inscrever no curso, você terá à disposição:  

  • 20h de videoaulas com prof. Slash 
  • 4h de material selecionado a dedo 
  • 10 ferramentas hands on 
  • 10 PDFs de leitura complementar 

FAÇA SUA INSCRIÇÃO

E aí, gostou do conteúdo? Fique à vontade para contribuir com mais sugestões de como manter o equilíbrio nessa época tão intensa! E não esqueça de compartilhar o conteúdo com os amigos. Até a próxima.  

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.